Telégrafo

Em 1841-42, Samuel F. B. Morse estabeleceu uma comunicação telegráfica de um lado a outro da Baía de Nova York, através de um cabo submarino. Em 1850 foi instalado entre Inglaterra e França (canal da Mancha), Escócia e Irlanda, Suíça e Dinamarca, e, Itália e Córsega, cabos submarinos para uso telegráfico. No Brasil, D. Pedro II procurou incorporar as conquistas técnicas modernas, como o telégrafo elétrico e a ferrovia. na elite imperial brasileira. Em 1852, o imperador delegou a Guilherme Schuch de Capanema (mais tarde Barão de Capanema) a tarefa da implantação do primeiro sistema telegráfico brasileiro, inaugurado em maio, entre a Quinta Imperial e o Quartel do Campo, no Rio de Janeiro. Começa entao a era da telegrafia brasileira. os serviços de telégrafo nacionais também eram prestados por uma companhia estrangeira, a Western and Brazilian Telegraph Company, de capital norte-americano. Antes da proclamação da República, já estavam em funcionamento dezenove mil quilômetros de linhas telegráficas em nosso país.

 

Telegrafia Pública Brasileira

1853- Sistema telegráfico brasileiro constituía uma pequena rede, incluindo-se o Quartel do Campo, o Morro do Castelo, o Quartel de Permanentes e os Arsenais de Guerra e de Marinha.

1854- Primeira ligação telegráfica entre o Palácio de São Cristóvão e o Ministério da Guerra.

1855- Imperador nomeou Guilherme Schüch diretor Geral dos Telégrafos Elétricos do Brasil.

1857-  Inaugurada uma linha para Petrópolis, com 50.630 m, dos quais 14.970 em cabo submarino; partia da Praia da Saúde, alcançava a Ilha do Governador, seguia para a estação da Estrada de Ferro de Mauá e daí até Petrópolis.

1872- Visconde de Mauá apresenta a idéia de lançar um cabo telegráfico ligando o Brasil e a Europa. No entanto, as dificuldades financeiras obrigaram Mauá a transferir os direitos a uma companhia de capital inglês que lançou o cabo entre Recife e Lisboa.